Linhas de alta velocidade em Portugal

Neste momento, Portugal não possui linhas ferroviárias de alta velocidade similares às que encontramos em outros países, como Espanha e França. O único serviço de alta velocidade disponível em Portugal é o Alfa Pendular, que circula a 220km por h1024px-alfa_pendularora; mas o comboio não efetua todo o seu percurso à velocidade máxima devido a não existir modernização das linhas ferroviárias portuguesas.

Existiu um projeto que tinha intenções de trazer linhas de alta velocidade para Portugal, no entanto, em 2012, o mesmo foi cancelado pelo governo português. O projeto estava orçamentado em mais de 11 mil milhões de euros para três eixos ferroviários e material circulante.

O projeto de alta velocidade português ambicionava ligar várias cidades portuguesas assim como ligar Portugal a Espanha. Segundo as previsões efetuadas, o percurso de Lisboa ao Porto, que atualmente é feito em 2 horas e 35 minutos, seria efetuado no tempo máximo de 1 hora e 15 minutos. O comboio também tinha o objetivo de ligar Lisboa a Madrid em 2 horas e 45 minutos.

Além do já mencionado, estava planeado que a linha de alta velocidade ligasse o aeroporto de Lisboa ao aeroporto do Porto.

A tarifa base para os comboios de alta velocidade seria a seguinte:

  • Lisboa – Porto: 40 euros por viagem (só ida) – cerca de 13 cêntimos por quilómetro.
  • Lisboa – Madrid: 100 euros por viagem (só ida) – cerca de 15 cêntimos por quilómetro.

Seria possível baixar os valores mencionados através de descontos, como em compras de última hora, passageiros frequentes, viagens de ida e volta, terceira idade, crianças, estudantes e viagens reservadas com grande antecedência.

Mesmo com os descontos, os preços eram bastante elevados quando comparados com os preços praticados pelas companhias aéreas que ligam Lisboa – Porto por 15 euros e Lisboa – Madrid (ida e volta) por cerca de 100 euros. Este facto teve um grande poder na decisão de cancelar o projeto de alta velocidade em Portugal.

Várias obras foram efetuadas para criar as infraestruturas necessárias, mas com o abandono do projeto, essas obras também não continuaram.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *